terça-feira, 19 de junho de 2012

Acontecimento

Aí estás tu à esquina das palavras de sempre
amor inventado numa indústria de lábios
que mordem o tempo sempre cá
E o coração acontece-nos
como uma dádiva de folhas nupciais
nos nossos ombros de outono
Caiam agora pálpebras que cerrem
o sacrifício que em nossos gestos há
de sermos diários por fora
Caiam agora que o amor chegou

Ruy Belo, Todos os Poemas, Aquele Grande Rio Eufrates, Círculo de Leitores, 2000 (mais um presente da Sandra. Inesquecível.)

8 comentários:

  1. Não conhecia este poema e adorei. O Belo é um grande poeta.
    Bjs.

    ResponderEliminar
  2. eu tb gosto muito. "Todos os Poemas" reúne a sua poesia num único volume.
    leio-os aos poucos e os que gosto mais passo para aqui.
    bjs.

    ResponderEliminar
  3. ruy belo é um dos meus favoritos.
    conto colocar aqui muitos mais.
    bjs.

    ResponderEliminar
  4. Não conhecia o poema e gostei imenso. :)

    beijinhos :*

    ResponderEliminar
  5. é lindo, Mark!
    o calhamaço, pois que é pesado, está sempre na minha mesa de apoio, em frente ao sofá. muitas vezes dou por mim a folheá-lo, a ler os poemas, muitos enormes. quando tiver coragem, passarei para aqui um desse género. tenho que escrever aos poucos (sou teimosa, podia ir à net e copiar, mas assim perde a graça).
    bjs.

    ResponderEliminar
  6. Porque é que Ruy Belo é tão pouco conhecido?
    Aqui há bastante tempo, publiquei um poema sele no meu blog.

    ResponderEliminar
  7. não faço ideia, mas eu vou mudar isso, tenho milhares de poemas :D

    ResponderEliminar