sexta-feira, 3 de agosto de 2012

Sexta-feira sol dourado

Sexta-feira sol dourado
esperança de solução de todos os problemas
não por à sexta-feira ter morrido cristo
que o poeta aliás comemora a comer bacalhau
ou outro peixe trocado pelos pescadores
que morreram ou morrerão no mar
esse peixe que antes nos chegava directamente
e agora passa pelas mãos do almirante henrique tenreiro
sexta-feira sol dourado
não por à sexta-feira ter morrido cristo
mas por se dispor da semana americana
Agora é que vamos ser felizes
A sexta-feira chega enche-se o peito de ar
a eternidade é não haver papéis
a vida muda vamos contestar
talvez assim se consiga aumentar
a duração média da vida humana
Sexta-feira sol dourado
que alegria ser poeta português
Portugal fica em frente

Ruy Belo, Todos os Poemas, País Possível, Círculo de Leitores, 2000

10 comentários:

  1. que bom Margarida, teres trazido o poeta logo de manhãzinha. Não sei se o poema é muito animador ;), mas não há nada como nos confrontarmos, ainda de forma algo amarga, com a beleza a prumo das palavras do Ruy Belo.
    Sexta-feira sol dourado. Vamos lá.

    ResponderEliminar
  2. ele é depressivo e amargo, como dizes, mas é por isso que gosto dele.
    (agora, praia!:D)
    bjs.

    ResponderEliminar
  3. E corrosivo também, mas gosto bastante.

    Boa praia e bom fds =)
    Bjs.

    ResponderEliminar
  4. Beijinhos de um excelente fim de semana :)

    ResponderEliminar
  5. ainda bem q todos gostamos ;)
    obrigada, Arrakis, estava excelente. um bom fim-de-semana para ti tb.
    bjs.

    ResponderEliminar
  6. Gostei do pedaço de ironia presente neste poema de Ruy Belo. O tom crítico está lá todo. x)

    beijinhos :*

    ResponderEliminar
  7. RB sempre foi um poeta mt crítico (repara no título do livro). os seus poemas são claramente uma forma de intervenção perante a realidade daquela altura.
    ele escreve mesmo "pensar, pensar como um homem que nasceu livre e quer morrer livre, leva depois inevitavelmente a actuar, a lutar contra qualquer forma de opressão." (Madrid, 1973).
    bjs.

    ResponderEliminar