quarta-feira, 26 de setembro de 2012

Oslo, 31 de Agosto


 (mais aqui e aqui)

Um longo dia na vida de um toxicodependente em recuperação que vai a Oslo para uma entrevista de trabalho numa revista.

Um filme dramático, triste, onde se adivinha o fim de Anders, incapaz de se adaptar à sua nova situação.

Brilhante a abertura do filme, na qual os habitantes de Oslo discorrem sobre a sua cidade, Oslo que acaba por ser o destino previsível de Anders, após não conseguir falar com a irmã, Nina, e a sua antiga namorada, Iselin. Os pais, por outro lado, estão ausentes e colocaram a casa à venda.

Anders acaba por passar a madrugada com três amigos. No dia 31 de Agosto, deixa-os e dirige-se para a casa dos pais, o último abrigo.

Os sons da cidade, as conversas no café, a música na discoteca e na festa dos 30 anos da amiga, a que toca no rádio no táxi, a peça que Anders dedilha no piano em casa dos pais são a banda sonora do filme.

Com Anders Danielsen Lie , num papel intenso e realista.

 

2 comentários:

  1. O enredo parece ser interessante. O fatalismo da personagem principal, toxicodependente, alude-nos a essa miséria urbana, tão presente desde meados da década de 80 do século passado.

    Obrigado pela sugestão. :)


    bj :*

    ResponderEliminar
  2. mais que isso, é o sentimento de impotência da personagem. a dada altura, um rapaz no bar diz qualquer coisa como ter amigos que estão muito piores que ele, mas sobrevivem.
    ele não, acho que, apesar de ter tantos amigos, eles têm as suas próprias vidas, também complicadas, e não ajudou o facto de a sua família se ter afastado dele. e isso ajuda na recuperação de um toxicodependente. não só, de qualquer doente.
    está em exibição no king.
    bjs.

    ResponderEliminar