domingo, 14 de outubro de 2012

Figura jacente

Meu rosto nasce desta condição horizontal
de quem tem a cobri-lo todo o seu cansaço
Deus teve para mim morte mais rasa
do que a morte que o sol encontra entre as águas
Desfez-se a curva última da estrada
nada ficou após meus gastos passos

Ninguém morrera ainda tanto como eu
só tive de estender um pouco mais o corpo
Sobre o meu rosto passam uma a uma as gerações
e vem lavar-me a água os velhos pés
E diz-me Deus, tão acessível como o mar nas praias:
- Tu és cada vez mais aquilo que tu és

Há entre as oliveiras sítio para o sol
e a brisa da infância canta rindo nos ramos
entre o cheiro do giz e as canções da escola

Deus é perto de mim como uma árvore

Ruy Belo, O Problema da Habitação

11 comentários:

  1. Sabes como eu gosto de poesia...
    Quase toda!
    A poesia é uma forma superior de dizer - não é a rima, não é a métrica - é a forma superior de dizer as coisas.
    E sentir...
    Gostei
    Bjs

    ResponderEliminar
  2. como o miguel referiu há uns posts atrás, a poesia tem a capacidade de transmitir por palavras o que sentimos mas não conseguimos verbalizar.
    bjs.

    ResponderEliminar
  3. ainda bem, Francisco.
    RB é um poeta realista, das pessoas comuns.
    nos dias de hoje, com esta crise que nos atravessa, com o desespero das pessoas, é o poeta ideal.
    também é inconformado e é isso que temos que ser, erguermo-nos contra esta situação.
    bjs.

    ResponderEliminar
  4. Que bela poesia! Ela é o modo superior, como disse o Pedro, de dizer algo. Dádiva dos deuses ou não, ela nos transcende às constelações, onde os deuses fazem morada.

    ResponderEliminar
  5. obrigada, herr limes. ruy belo é um dos grandes poetas portugueses, infelizmente não muito divulgado.
    tive a felicidade de receber como presente, há alguns anos, a colectânea "Todos os Poemas".

    ResponderEliminar
  6. nunca tinha 'tropeçado' neste, belíssimo como sempre.
    'deus é perto de mim como uma árvore' é daqueles versos tão cheios de verdade, de mistério e de encantamento, que nos marcam de forma indelével a reflexão.
    obrigado

    ResponderEliminar
  7. A procura de um amparo, personificado em Deus, existe também em mim. Essa ânsia encontrei-a neste poema. Assim como a árvore nos presenteia com a sua sombra e protecção, nomeadamente dos raios solares, alimentando-nos com o seu oxigénio, não deixará, Deus, de ser uma fonte de vida.


    bjo.

    ResponderEliminar
  8. é um dos muitos belos poemas de RB, Mark.
    gosto de pensar que deus está na beleza e na simplicidade.
    bjs.

    ResponderEliminar
  9. Mais Ruy Belo; que bom!
    Por mim, podes até abusar...

    ResponderEliminar