terça-feira, 30 de outubro de 2012

Homem que vens de humanas desventuras

Homem que vens de humanas desventuras,
Que te prendes à vida e te enamoras,
Que tudo sabes e que tudo ignoras,
Vencido herói de todas as loucuras;

Que te debruças pálido nas horas
Das tuas infinitas amarguras -
E na ambição das coisas mais impuras
És grande simplesmente quando choras;

Que prometes cumprir e que te esqueces,
Que te dás à virtude e ao pecado,
Que te exaltas e cantas e aborreces,

Arquitecto do sonho e da ilusão,
Ridículo fantoche articulado
- Eu sou teu camarada e teu irmão.

António Botto

14 comentários:

  1. adoro este soneto do Botto e não o lia há taaanto tempo. obrigado

    ResponderEliminar
  2. Das coisas que temos em comum: o gosto pela poesia. E António Botto é um dos autores que eu gosto.
    Bjs

    PS: Hoje estava um gato em cima do meu carro, a aproveitar o sol e o quente. Entrei sem que ele se mexesse. Ainda fiquei um pouco a olhá-lo e ele virado para mim.

    Lembrei-me de ti e dos teus gatos.

    Bjs

    ResponderEliminar
  3. obrigada, Pedro. Botto, de facto, é extraordinário.
    qualquer dia volto a colocar fotos dos meus meninos :)
    bjs.

    ResponderEliminar
  4. (continuava)
    ...teu amante, teu amor!!!

    Abraço-te

    ResponderEliminar
  5. Abraço-te, Botto concordaria contigo.
    bjs.

    ResponderEliminar
  6. Francisco, obrigada. é de 'As Canções'.
    bjs.

    ResponderEliminar
  7. Depois do "Le Petit Prince", o livro "As Canções" deve ser o livro que mais vezes folheei; e nunca me canso.
    Como gostaria de ver um dia um filme sobre a vida do nosso "poeta maldito"; já que fizeram um sobre a Florbela, não é uma ideia descabida...

    ResponderEliminar
  8. eu tb não me canso.
    ainda não o devolvi à biblioteca, se me esquecer, será que elas levam a mal? neh, mais uma semana e tenho que ir lá. :)
    boa ideia, essa do filme. será que temoss actores para esse papel?

    ResponderEliminar
  9. Há um qualquer sentimento de partilha de dor presente neste poema de Botto. No fundo, será o "eu" que o autor projecta num "tu" que, afinal, duvido que exista. Partilhar a dor ajuda a atenuá-la, mesmo que ficticiamente.


    bj, querida, e a continuação de uma boa recuperação. :*

    ResponderEliminar
  10. Botto é dor, essencialmente, melancolia e muito amor não correspondido.
    bjs.

    ResponderEliminar