segunda-feira, 8 de outubro de 2012

Machados e expressões maternas



Quando eu tinha cinco anos, ia ficando sem o dedo médio da mão direita. A minha avó estava a cortar um ramo de um pinheiro e eu meti a mão para tirar um bocado da corcódoa para brincar (as brincadeiras com as corcódoas resumiam-se a alisá-las no chão de cimento da eira ou do pátio, fingir que eram pequenos barcos e colocá-los nos ribeiros que iam regar as terras. Também eram óptimas para atirar às pessoas, não pesavam muito, mas o tiro era certeiro).

A minha avó segurava o machado e raspou-me no dedo. Desatei num berreiro, mais outro porque levei umas palmadas no rabo, a sorte é que nem foi preciso levar pontos e nessa altura aprendi mais uma expressão da minha mãe: "vê lá se saem as tripas gordas que as magras não cabem!". E ela dizia isso a rir e eu a chorar.

17 comentários:

  1. Como os tempos são diferentes!
    Hoje muitos citadinos não fazem ideia do que relatas, Margarida.
    Outros não aceitam que uma palmada possa ter um efeito positivo.
    Mas aqui a vovó foi marota para a menina... Também quem mandou a menina meter a mão onde não era chamada?
    Um bom dia para ti.
    Bjs

    ResponderEliminar
  2. Vês Margarida, não se deve meter as mãos onde não são chamadas....ou será onde não se deve?


    Beijinhos

    ResponderEliminar
  3. Pedro, a minha avó até q foi muito ágil. eu é que era uma peste :D
    bjs.

    ResponderEliminar
  4. Conheço esse dito também da minha avó... Como tudo mudou bastante...

    Nos dias de hoje, tinha ido para as urgências, a tua mãe tinha sido mandada calar... A tua avó seria a pessoa que não sabia cuidar dos netos e ninguém falaria com ela nos próximos meses...

    Bom recordar, que as tripas grossas é que saem, porque as finas não cabem lololololololol

    Beijinhos Grandes

    ResponderEliminar
  5. fui duas vezes à urgência: uma quando parti a cabeça porque caí em cima de umas silvas, estava em cima de uns toros e levei 2 pontos na nuca. a outra vez foi quando meti o pequeno plástico azul da caneta bic no nariz :D
    isto entre os 5 e os 7 anos, eu era fresca, era...
    bjs.

    ResponderEliminar
  6. Peste, peste não direi... :)
    Mas muito traquinas, sim!!!
    Olha, ri-me com o post e os comentários. E sabe tão bem rir... quando o dia é cinzento.
    Bjs

    ResponderEliminar
  7. Felizmente, tenho tido a sorte de evitar casos mais graves: nunca fui suturado, nunca quebrei um osso, etc. Até à data. :)

    Devo dizer que quando li que por pouco não ficavas sem o dedo médio da mão direito, fiquei impressionado. Que horror! Tiveste imensa sorte e, diga-se, a palmada foi merecida. :p


    bjo :*

    ResponderEliminar
  8. fui um criança saudável e activa como muitas. tb pelos 5 anos cortei o cabelo, já o tinha comprido. tb fiz o meu irmão de cobaia, :D
    a minha mãe, para variar, gritou, assustada. eu, com a tesoura de costura da avó nas mãos. o terror da casa!
    tantos episódios giros, Pedro.
    bjs.

    ResponderEliminar
  9. Mark, sim, as muitas palmadas no rabo que levei foram merecidas.
    bjs.

    ResponderEliminar
  10. Gralha por gralha, "mão direita" e não "direito", como eu escrevi, ahah :D



    beijinhos, querida :*

    ResponderEliminar
  11. :D
    bjs
    (lembrei-me: a tua mãe chegou a ir ao concerto do Leonard Cohen? deduzi que não, por ter ido ao velório da MM).

    ResponderEliminar
  12. E dos petizes que nunca tiveram giros momentos? Na minha idade tenra, gostava de folhear livros, fitar a chuva e fazer nada.

    ResponderEliminar
  13. herr limes, esse são os teus momentos especiais :)

    ResponderEliminar