quarta-feira, 26 de dezembro de 2012

Povoamento

No teu amor por mim há uma rua que começa
Nem árvores nem casas existiam
antes que tu tivesses palavras
e todo eu fosse um coração para elas
Invento-te e o céu azula-se sobre esta
triste condição de ter de receber
dos choupos onde cantam
os impossíveis pássaros
a nova primavera
Tocam sinos e levantam voo
todos os cuidados
Ó meu amor nem minha mãe
tinha assim um regaço
como este dia tem
E eu chego e sento-me ao lado
da primavera

Ruy Belo, Todos os Poemas, Aquele Grande Rio Eufrates, Círculo de Leitores, 2000

8 comentários:

  1. Ruy Belo de novo, nunca é demais e é uma boa escolha para um reenício normal de postagens após este período natalício.

    ResponderEliminar
  2. Ruy Belo escreve o amor como poucos!...


    bjo.

    ResponderEliminar
  3. Que o Ano Novo seja suave e belo como esse poema!

    ResponderEliminar
  4. Gostei muito :)

    Continuação de Boas Festas

    Bjs

    ResponderEliminar
  5. Mark, para retomar em beleza a normalidade, como refere o João.
    bjs.

    ResponderEliminar
  6. Rosa, que venha sem contratempos, apesar de tudo.
    bjs.

    ResponderEliminar
  7. ainda bem, Francisco.
    obrigada e igualmente.
    bjs.

    ResponderEliminar