terça-feira, 8 de Janeiro de 2013

Abalado de ventos e as mulheres

'fique com a mão aí por um bom tempo, segure como deve ser para não mostrar ao ar o que lhe está aberto, se lhe entra ar fica abalado de ventos e a cabeça vai-lhe aérea e inválida. foi como o segurei, incansado a redimir-me do acto e a imaginar nuvens e mais nuvens a entrar por aquele buraco adentro até que o meu pobre e fiel teodolindo ficasse burro de vez.' - p. 54.

'as mulheres só são belas porque têm parecenças com os homens, como os homens são a imagem de deus. não é heresia, pensa bem, se se parecessem mais com cabras do que com homens nem natureza para nós teriam. precisam de nos parecer sem alcançar igualdade, que para isso estamos cá nós.' - p. 121.

valter hugo mãe, o remorso de baltazar serapião, QuidNovi, 2006.

Acabei de o ler. Primeiro custou entrar no estilo de escrita de vhm, diferente, tão diferente como incluir os diálogos no mesmo parágrafo, sem pausas, a pontuação subvertida, como na escrita de Saramago.

Não há pausas, há amor ciumento, doentio, de baltazar pela sua bela ermesinda, no Portugal feudal, ermesinda mulher formosa que, ao longo do tempo, vai ficando estropiada, desfigurada.

Há, também, a sarga que é uma vaca, mais humana que os humanos, tão bestializados nesta prosa. Não desgostei, mas não será para reler, confesso. 

14 comentários:

  1. Eu gostei muito. Claro que não é fácil,mas é um trabalho notável.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. é notável, concordo, mas não o voltarei a ler, não tão cedo (já o filho de mil homens é extraordinário!)

      Eliminar
  2. O segundo parágrafo atordoou-me um bocadinho, confesso. O.o

    O estilo de escrita "saramaguiano" não me seduz particularmente; tive de habituar-me no 12º ano devido à leitura obrigatória do "Memorial do Convento", um livro ao qual reconheci interesse já depois de ter concluído o secundário. Quando o li, não gostei muito.


    beijinho.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. sim, também é um estilo que não me seduz.
      não me lembro do que era obrigatório no 12.º. tive apenas 3 disciplinas e o português não era uma delas.
      o 'memorial' foi o único livro de S. que li. custou-me ler as primeiras páginas, mas quando baltazar encontrou blimunda, ah, adorei :) a partir daí, devorei o livro (e ainda não li mais nada dele, confesso).
      sim, a percepção das mulheres pelo baltazar deste livro não é das mais favoráveis, não.
      (e assim mencionei dois baltazares :)
      bjs.

      Eliminar
  3. Respostas
    1. bjs, Francisco e alegria que amanhã já é meio da semana :)

      Eliminar
  4. Em tempos,no CR manifestei opinião semelhante em relação a VHM. Lê-se com agrado, mas parece faltar qualquer coisa naquela escrita que nos agarre.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. mas eu gostei tanto de 'o nosso reino' e estou a adorar 'o filho de mil homens'. este romance é sinistro, muita violência, pobres mulheres.

      Eliminar
  5. Não é uma escrita fácil não... o problema é a concentração. Mas com vontade tudo se faz! Fiquei mais ou menos curioso LOL

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. sim, muita concentração. mas tem partes fantásticas, não o nego. podia ter transcrito outras, o irmão pintor é uma personagem maravilhosa, por exemplo, e a vaca sarga um mimo.

      Eliminar
  6. nunca li nada do vhm. eu sei que devia, mas falta-me qualquer coisa, tipo 'não me apetece'

    ResponderEliminar
  7. Margarida
    ainda a propósito do "Remorso..."; sim é sinistro e não muito agradável de ler, apesar denotável...~
    Não te esqueças que a época focada é a Idade Média, um período todo ele sinistro também da História do mundo. E é aí que VHM é magistral, pois ele dá-nos, melhor, mostra-nos, inclusivé pela escrita diferente do português actual, como era obscura essa época.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. não me esqueço, a idade das trevas, João. e não foi pela diferença de português, foi mesmo pela violência, sim, sei o quanto era terrível esse tempo (mas estropiar a moça por ciúmes, bem, causou-me impressão.)

      Eliminar