quinta-feira, 7 de fevereiro de 2013

A Praça Ruy Belo

'Ruy Belo quem é? É um extraordinário dissidente lírico. E Portugal é a Praça Ruy Belo'.

José Tolentino Mendonça, Revista Ler, Fevereiro 2013.

8 comentários:

  1. Bom dia :)

    Obrigado, já tenho com que me entreter nos últimos dias de férias :)

    Beijinhos Grandes

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. caiu por baixo a resposta, o blogger não está muito bem :(

      Eliminar
  2. bom dia :)
    férias curtas, aproveitaste-as bem?
    bjs.

    ResponderEliminar
  3. Praça Ruy Belo é lindo! estás-me quase a convencer a ter uma recaída e comprar a Ler ;)


    quando fez trinta anos que o RB morreu, escrevi um poema para assinalar a data. ofereço-to.



    TRINTA ANOS

    Era Agosto e o chão fervia
    no calcário incendiado dos passeios.
    Nós descíamos à Praça, convocados
    às esplanadas e aos cafés.
    A revolução mansamente
    adormecia em seu estertor,
    e a cidade, pela primeira vez,
    ausentava-se para férias.

    Era Agosto, e de Espanha nem
    bom vento nem bom casamento,
    mas era cá dentro que as fronteiras
    se fechavam, e aprendíamos a só contar
    com o que tínhamos,
    juventude sem sono
    à espera da madrugada.

    Era Agosto e o chão morria.
    Despedia-se o poeta, em palavras,
    e nós alheios a essa ausência.
    Chovia, para lá do Outono.
    Nas salas e nos sótãos
    esperavam-nos os últimos cartuchos
    do futuro. Sorrimos, hoje, desses
    retratos a sépia, recortes de jornais.
    E já nem temos saudades de nós.


    (Agosto de 2008)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. eu digitalizo as páginas e envio-tas.
      é lindo e eu acho que o JTM leu o teu poema.
      obrigada.

      Eliminar
    2. isso é que era :)

      não me tinha ocorrido, mas gosto da coincidência. o poema, acho eu, é muito sobre a falta que poetas como o RB fazem ao nosso país. mas claro que também é muito sobre mim nesse agosto de 78, e por isso a Praça do poema é coimbrã :)

      Eliminar
  4. Um poeta tão esquecido, e em vias de revitalização...
    Haja Deus!

    Já cá cheguei, Margarida.

    ResponderEliminar