sexta-feira, 1 de março de 2013

Hiroshima, Meu Amor

Hiroshima, Meu Amor é um filme dramático que conta a história de um homem e de uma mulher que, em 1957, se conhecem em Hiroshima. Ela é actriz, interpretando o papel de enfermeira num filme sobre a paz e ele é um arquitecto japonês. Vivem uma brevíssima (num dia e numa noite), mas intensa aventura amorosa, na qual ela recorda o seu primeiro amor, um soldado alemão da Segunda Guerra Mundial, em Nevers, quando era adolescente.

Os diálogos são longos e tristes, entre a memória de Hiroshima, o absurdo da bomba atómica, a estupidez da guerra, e a história dela. Cruzam-se duas tragédias, a da mulher, individual, e a colectiva, dos japoneses.

Emmanuelle Riva tem um papel extraordinário, grande parte das cenas são reservadas à sua história, com longos planos do seu belo rosto, do seu sofrimento, marcada pelo crime de ter amado o inimigo, acusada de ser colaboracionista.

 
(filme completo)

Saliento dois momentos, entre muitos, todo o filme é forte:
Aos 32',17'': ele, 'Tu dás-me muita vontade de amar'; ela, 'Sempre. Os amores passageiros.'
Aos 55', 50'': ele, 'Então, um dia, meu amor, tu sais da eternidade'. Ela, 'Eu vejo a minha vida que continua, a tua morte que continua.'; 'Começo a esquecer-te...'

Ele é Hiroshima, ela é Nevers, eles são memórias...

Alain Resnais realizou-o e o argumento esteve a cargo de Marguerite Duras. Ainda não li o livro, mas colmatarei esta falha brevemente.

15 comentários:

  1. Um grande filme, uma grande actriz e sobretudo um grande (enorme) realizador - Alain Resnais.
    Claro que o argumento adaptado pela própria da escritora Marguerite Duras ajuda muito.

    ResponderEliminar
  2. vi há muitos muitos anos, no tempo em que era demasiado jovem e via demasiados filmes, de modo que me lembro muito pouco, mas é uma recordação mítica.
    viste em dvd ou sacaste?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. miguel, vi no youtube :) coloquei o filme completo. vi no tablet aos poucos, via, parava, absorvia o rosto dela...

      Eliminar
  3. Grande filme. E só posso concordar com o João, o trabalho da Duras aqui é da maior relevância e os diálogos são qualquer coisa de arrepiante.
    Bjs.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. como tu fizeste tão bem, também irei publicar aos poucos alguns filmes que me marcaram, mas que não escrevi nos comentários ao post do Alex. agora se serão 7 ou 17, não sei :) gosto de muitos.
      bjs.

      Eliminar
  4. Uma ótima sugestão.
    Não conheço nada do realizador, e vejo que tem adeptos, muitos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. pertence à nova vaga e a memória é um tema recorrente nos seus filmes. eu também não conheço muitos filmes franceses e tenho que pesquisar mais. lembrei-me deste há algum tempo por causa do filme amour e da emmanuelle riva.

      Eliminar
  5. É um filme maravilhoso, que felizmente já tive a oportunidade de ver. Não se esperaria outra coisa tendo como argumentista Marguerite Duras.

    beijinho.

    ResponderEliminar
  6. Tb não vi, mas já ouvi falar muito. Acho que vou aproveitar a dica do youtube para o ver esta semana.
    Tenho, ao poucos, estado a voltar às minhas rotinas cinéfilas (que abandonei no último ano).
    Bjs

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. sempre que possível, colocarei o filme completo. já pesquisei outros que não existem, apenas algumas cenas e terei que os rever der por onde der (pelo menos o 'the french connection', que acho um dos melhores filmes policiais de todos os tempos).
      bjs.

      Eliminar
  7. para quem quiser rever na grande tela, está em exibição no nimas sábados e domingos à tarde :)

    ResponderEliminar