sexta-feira, 28 de junho de 2013

Olhar

'Nesse momento, começou a acontecer aquela sensação. Ainda sou capaz de lembrar como, pouco antes de vê-lo parado à minha frente, fui abrindo devagar os olhos. Como se despertasse enquanto alguém abria a janela, tomado por aquela mesma sensação de dourado de quando amanhece ou anoitece nos dias claros de luz, e o sol, um instante antes de surgir ou sumir, joga sobre o horizonte todos os seus presságios, e se você souber olhar, como os homens do campo e os bichos parecem saber, poderia perfeitamente profetizar como será esse dia ou essa noite que começam ou terminam, até mesmo o dia e a noite seguintes, e muitos outros. A estação inteira, se tiver esse olhar, você pode.'
p. 128.

Caio Fernando Abreu, Onde Andará Dulce Veiga?, 2012, Quetzal Editores

5 comentários:

  1. Estás terminantemente apaixonada pela literatura brasileira. :D

    Por acaso, conheço o escritor, mas nunca li nada da sua obra. Sei que era homossexual assumido mesmo durante a ditadura brasileira e que morreu vítima do HIV. :|

    beijinhos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. estou, mesmo, já o tinha aqui em casa há uns tempos. não o comprei por ser literatura LGBT, comprei porque gostei do que li, nos blogues e jornais e estou a gostar muito, aliás, superou as expectativas e irei ler os restantes dele.
      bjs.

      Eliminar
  2. Ao contrário de ti e do Miguel, eu raras vezes transcrevo frases delivros nos meus posts.
    Prefiro falar concretamente de uma obra, e nesse contexto já transcrevi uma que outra vez, uma ou mais frases.
    Aliás e embora estando a ler a um ritmo muito rápido que até a mim me surpreende, prefiro tratar dos livros que vou lendo, nuns resumos periódicos em que falo deles, com pequenos apontamentos de cada um.
    Mas isso não é uma regra fixa e até outro dia publiquei uma postagem dedicada apenas a um autor de que li quase de seguida vários livros - José António Almeida.
    Ao fim e ao cabo, cada um de nós orienta o seu blog segundo a importância que os assuntos têm para quem os publica.
    É visível que a literatura é para ti muito mais importante que outros assuntos, assim como eu presto mais atenção a questões relacionadas com o mundo LGBT, isto não querendo dizer que tanto tu como eu não postemos sobre variados assuntos.
    É esta diferenciação na orientação de cada blog que torna extremamente interessante a blogosfera.
    Sobre o livro em causa, é o único livro do autor editado em Portugal, tenho-o "à espera de vez" e francas e boas expectativas acerca dele.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. é verdade, João, e nos últimos tempos, tirando um ou outro livro, estou a gostar muito das minhas leituras. neste último, como é meu :), posso sublinhar e re-sublinhar e já fiz isso muitas vezes. tem períodos lindos que 'casam' muito bem na atmosfera noir como é a deste romance.
      sim, de entre todos os meus interesses, a leitura é o que sobressai aqui, ela e os gatos :) [amanhã faço um dois em um, já agora].
      não te irás arrepender. é um livro excelente.

      Eliminar
  3. 'Não, eu não queria ver nenhum deles. Eu não queria nada, eu não queria ninguém. (...) preferia ficar só. Era mais limpo. No máximo um velho Bergman, cheio de traumas.'

    ResponderEliminar