quarta-feira, 4 de setembro de 2013

Noiva Prometida


Um filme dramático, belo e sublime, sobre uma comunidade de judeus ultra-ortodoxos. Sobressai a humanidade das personagens e uma imensa tristeza nos olhos da rapariga, doce e romântica, face ao dilema que lhe é colocado - um casamento arranjado.

É o primeiro filme de Rama Burshtein, realizadora israelita ultra-ortodoxa e já ganhou diversos prémios.

Recomenda-se. Está em exibição no King.

12 comentários:

  1. li nos jornais de fim de semana sobre este filme e fiquei cheio de vontade de o ver. vamos ter esperança de que um dia chegue à província.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. há que não a perder. em alternativa, podes sacar, penso eu de que...
      é um filme muito bonito e conheces as tradições de uma comunidade fechada. é um filme 'manso', embora triste. gostei muito.

      Eliminar
  2. Está na minha lista dos próximos a ver, estou bastante curioso com esta primeira obra. Toda a gente diz bem, críticos e publico, o que é um consenso raro.
    Bjs.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. podes procurar mais cenas com o nome do filme em inglês 'fill the void', incluindo a cena final, do casamento, onde podes ouvir a música que eu coloquei em link. ouvi-a muitas vezes ontem à noite e hoje, é linda.
      sim, não deves perder. tens um vislumbre - raro, para mim, porque nunca tinha visto - dos costumes desta comunidade religiosa, muito bem filmado pela realizadora.
      bjs.

      Eliminar
  3. Muito interessante realização.
    A ortodoxia deixa-me sempre perplexo.

    ResponderEliminar
  4. Fiquei com vontade de ir ver :D

    Agora tenho que ir procurar companhia :D

    Beijinhos Grandes

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. não deve ser difícil. eles voltam sempre, tu é que dizes...
      :)
      bjs.

      Eliminar
  5. Parece ser realmente interessante.

    bjo.

    ResponderEliminar
  6. Gosto muito do cinema israelita e sou mesmo fã de um dos seus melhores realizadores, Eytan Fox.
    E já vi variados filmes sobre esta sociedade tão fechada que são os judeus ultra-ortodoxos, que me custa tanto a compreender nos dias de hoje.
    Mas é a primeira vez que tenho conhecimento de um filme realizado por um dos seus membros, ainda por cima, uma mulher. Mais do que razões para ver este filme.

    ResponderEliminar