quinta-feira, 17 de abril de 2014

O Regresso a Casa, de Harold Pinter

Hoje, ao fim da tarde, vou comprar o bilhete para a próxima quarta-feira, dia do espectador, para esta peça, que está em exibição no Teatro Nacional D. Maria II. Custa 8,00 €. Será às 19h00 (o meu horário preferido).

'O Regresso a Casa' é uma peça encenada por Jorge Silva Melo e tem um elenco de luxo, como o João Roque e o Miguel puderam comprovar no domingo passado.

Assim, quem estiver interessado em me acompanhar, basta estar na bilheteira do Teatro hoje, a partir das 18,30/18,45. Quem não me conhece pessoalmente, basta olhar para o chão e procurar a rapariga dos botins que foram objecto de um post há umas semanas :)

17 comentários:

  1. pudesse eu, e mesmo já tendo visto a peça, ia à procura da rapariga dos botins.

    ResponderEliminar
  2. Eu iria. É pena ser na quarta que vem. Às 19h não é possível.

    Deve ser interessante!

    beijinho.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. para a semana estou de férias, mas estarei por cá. tens o meu número de tlm. estás à vontade para me ligares para combinar alguma coisa.
      bjs.

      Eliminar
  3. Respostas
    1. enganei a vintena de ilustres seguidores. apareci meia hora mais cedo. depois fui ao monumental e comi qualquer coisa naquele bar fantástico do medeia e fui ao cinema.

      Eliminar
  4. Quarta não estarei em lisboa, mas até podiamos ir a correr para lá :)
    Fica para a próxima :)
    bjs

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. em pé-coxinho e com a minha avó às cavalitas :p
      fica para a próxima, sim. :)
      bjs.

      Eliminar
  5. Dantes não gostava de teatro. Mas agora estou a aprender a gostar. Coisas da vida...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. antes, eu não gostava de esparguete, agora, adoro :)

      Eliminar
  6. Com os meus habituais atrasos estou a escrever isto quando estás tu a "digerir" a peça. Fico à espera do post sobre a mesma...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. muito forte! farei, sim, mas como dizes, ainda estou a digerir.

      Eliminar
  7. o texto está criado, não vou fazer um post novo. então, na quarta ao fim da tarde, fui ver a peça. um texto forte, muito forte. sabia que o era, de comentários de amigos que já a tinham visto. uma peça que se passa numa grande sala de estar de uma casa londrina, um patriarca execrável, não gostei da personagem, forte, um antigo talhante, com três filhos, o mais velho doutorado em filosofia, que regressa uma noite com a esposa, o do meio, com ar de chulo, que será no fim da peça, e o mais novo, um boxeur. com eles vive o irmão do pai, interpretado pelo Jorge Silva Melo (nunca o tinha visto actuar), que é taxista. e assim o filho mais velho regressa a casa com a esposa, deixando os três filhos na América, a esposa que é o único elemento feminino naquela família disfuncional. quando o sogro a vê trata-a por 'puta' e é assim como prostituta que ela fica, numa casa em Londres, no fim. o marido regressa à América, aos filhos, e ela ali fica, sentada no maple que era do velho execrável, que antes falava da mulher morta, da sua Jessie, como uma boa mulher, e afinal, também era uma 'puta', porque foi apanhada no banco de trás com um homem pelo cunhado taxista. esta é a confissão que ele faz a todos, antes de cair redondo no chão, com um ataque, e de eles ficarem a ver, indiferentes.
    ao meu lado estava um inglês que falava bem a nossa língua, embora com sotaque, e tinha entabulado conversa com um rapaz brasileiro. eu estava a ouvi-lo a comentar a peça, antes de começar, que era misógina, ora, misógina não creio, o velhote podia ter aversão às mulheres (nenhuma delas tinha entrado em casa depois da morte da mulher, mas depois rende-se à nora, que ocupa o seu lugar no centro da sala). a mulher aqui deixa de ter o papel de mãe, pois abandona os filhos, é amante do irmão mais novo do marido, mesmo não 'indo até ao fim' e depois o irmão chulo monta-lhe um apartamento, não sem algumas exigências por parte dela.
    um texto muito crú, de facto.
    notei (estava sentada na primeira fila), dificuldade em entender algumas falas do João Perry. a voz saía-lhe entaramelada.
    a síntese da peça encontra-se aqui: http://www.teatro-dmaria.pt/pt/calendario/o-regresso-a-casa/

    ResponderEliminar
  8. Só agora li este comentário.
    Boa análise da peça, mas só fazes uma crítica objectiva e não subjectiva.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. no seu todo, gostei. gostei das boas interpretações, não foram excelentes, na minha opinião. o elmano sancho e o joão pedro mamede (já os vi várias vezes ao vivo) não saem do mesmo registo.
      apesar de não ter gostado da personagem do velho execrável, e de algumas vezes não o ter percebido, gostei do joão perry. aos anos que não o via.
      o jsm esteve muito bem, também.

      Eliminar