segunda-feira, 21 de abril de 2014

What Maisie Knew


'O Que a Maisie Sabe', em português, foi o filme que vi no Monumental na semana passada.  Baseado no livro de Henry James, pelos olhos da mais doce e bela menina de seis anos - uma angélica Onata Aprile -  deparamo-nos com seu dia-a-dia, o divórcio litigioso dos seus pais, as constantes discussões entre eles, e o porto de abrigo que encontra nas figuras do padrasto e da madrasta. Novos e equilibrados pais, que não são mais do que casamentos de interesse para que cuidassem da pequena Maisie. Pois os seus progenitores à beira da meia-idade estão demasiado ocupados com as sua profissões, uma mãe vocalista numa banda rock e um pai director de uma galeria de arte.

Mais uma produção independente a chegar a Portugal depois de ter passado por meio mundo. O filme é de 2012.  Se possível, não percam.

12 comentários:

  1. Tenho que ver, está na minha lista! :D

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. a J. não está mal como rockeira, é uma excelente actriz, mas a miúda é que é um espanto. madura demais para a idade, só chora uma vez, em casa de estranhos, e uma única lágrima desliza pelo seu rostinho. que terrível é ser-se abandonado.

      Eliminar
  2. Parece muito bom! A ver se consigo encontrá-lo por cá também! ^^

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. gostei. estou mais indie, agora. falhei tantos oscarizados...

      Eliminar
  3. Respostas
    1. o que mais me impressionou é que não há recriminações por parte da criança. os pais são uns irresponsáveis e a garota só quer amor, que encontra em pais substitutos.

      Eliminar
  4. Respostas
    1. bom, está em vários cinemas em lisboa :)
      na quarta vou ao el corte ingles ver o Grand Budapest Hotel, às 2h.
      bjs.

      Eliminar
  5. Pelo trailer, pelo que descreves e pelo tema, parece-me interessantíssimo. E adoro cinema independente.
    Bjs

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. sim, eu também. falhei muitos dos outros, mas indie tento ver mais.

      Eliminar
  6. Vou esperar que "me chegue às mãos"...

    ResponderEliminar