sábado, 17 de maio de 2014

A minha estante

Há uns bons anos, investi o meu subsídio de férias nestes armários. Comprei-os numa loja de móveis que existe ao pé de casa. Sim, mais uma razão para não sair daqui, tenho tudo à mão, em três, quatro ruas, desde bancos, mercado, praça de táxis, comércio, farmácia, a imprescindível loja de ferragens, lojas chinesas (duas!), correios, churrascaria (ou frangaria, como ouvi hoje um petiz - fui lá buscar o almoço, que não me apetecia cozinhar) e, claro, a limpeza a seco (antes de ir à frangaria, depositei lá a casacaria de inverno), mais uns quantos estabelecimentos de ensino, cafés, arranjos de costura, o pavilhão desportivo, a polícia, agora até uma igreja - incrível como esta terrinha tem tanta coisa - ah, claro, e uma loja de tatuagens (tenho que ir lá dar uma olhadela). E isto tudo não é no centro comercial, não, é mesmo junto à minha casa.

Bem, voltando à minha estante. Eu queria uns armários com portas de alto a baixo, de modo a que se vissem os livros, mas que ficassem protegidos do pó (detesto limpar o pó e esta casa apanha imenso, graças aos aparelhos de ar condicionado do pavilhão atrás deste prédio). E expliquei à senhora da loja o meu desejo. Ela lá adaptou estes armários, são simples armários de sala, substituiu as prateleiras de vidro por umas de madeira, claro, e umas semanas depois tinha a minha estante cá em casa, que a loja tem dois homens que costumam fazer estes serviços (a mobília vem do norte, são móveis nacionais, eu folheei imensos catálogos; já agora, o meu sofá também é de lá e a cama com gavetões igualmente. Não vou ao Ikea, fica muito longe e ainda por cima há aquela cena de montar os móveis, uma chatice. Não, do Ikea tenho uns utensílios de cozinha e as caixas de papelão que arrumei na arrecadação aquando das mudanças).

Ora, então, em baixo, nas portas sem vidro, estão as enciclopédias, caixas do pc, guias, álbuns de fotografias, tudo o que é pesado - como aconselha a protecção civil, os materiais mais pesados devem estar nas prateleiras mais baixas. Depois, dividi os armários por temas: num tenho os vídeos, muito poucos, prefiro séries, alguns livros de capa dura, depois no armário do meio a literatura em português (autores nacionais, brasileiros, angolanos, moçambicanos), poesia, banda-desenhada e no da direita romances traduzidos, muitos policiais, alguns lgbt e uns quantos que ainda não li que estão empilhados.

Pelo meio, bibelots, loicinhas como miniaturas de gatos, fotografias, souvenirs de viagens, uma espécie de bar, já que não tenho louceiro e os armários da cozinha estão cheios, muitas fotos minhas, dos meus gatos, da minha família, que entalo na borracha dos vidros. Está um bocado desarrumada, mas gosto muito dela.

28 comentários:

  1. Essas estantes são muito boas! Tornam-se mais fáceis de limpar e tudo! ^^

    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. sim, é verdade que não apanham muito pó, excepto em cima. quando me lembro de limpar, tem mais de 1 cm de espessura... estou a pensar em comprar uns módulos lá para o alto...
      bjs.

      Eliminar
  2. E fica tudo arrumadinho sem apanhar pó.
    www.margaridaflordaminhavida.blogspot.pt

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. há uns meses, quando fiz o alfabeto dos livros, tirei-os e aproveitei e passei o pano e arrumei os bibelots em lugares diferentes :)

      Eliminar
  3. Eu precisava de três móveis como esse.
    Os livros lidos tenho-os arrumados, quer na sala, no quarto e a maior parte, todos do tempo da minha juventude, na arrecadação que é mesmo ao pé da porta de entrada.
    O pior são os que tenho para ler: pilhas e pilhas, quer na sala, quer no quarto. E onde os vou meter eu, depois de lidos?
    Tenho que pensar a sério em abandonar as "velharias" que tenho na arrecadação, mas cada vez que isso me vem à mente, fico logo doente...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. se precisares de ajuda para despachares as 'velharias', diz. vende no olx, doa a uma biblioteca...
      no quarto ainda não tenho livros. prefiro concentrar tudo no mesmo sítio.
      não tenho assim tantos livros. costumava ir à biblioteca.

      Eliminar
  4. Bela ideia para uma estante :D

    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. já tive das normais, sem portas, mas como referi, detesto pó. esta foi a solução.
      bjs.

      Eliminar
  5. Eu um dia que tenha uma casa minha quero ir por uma solução semelhante. O grande problema das minhas estantes é o pó, e não podemos tirar os livros todos todas as semanas (nem sequer todos os meses), além do pó que ganham por cima...

    Gostei da tua estante :)
    Também tenho fotos e souvenirs por cima das minhas :)

    ResponderEliminar
  6. eu acho que a solução ideal seria ter uma estante com um número limitado, embora de razoável, de livros. cada vez que queria pôr lá um novo, tinha de tirar outro. agora assim como está, it's a mess, não consigo encontrar nada, e se não fosse o goodreads, nem sabia que livros é que tenho :/

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. a solução seria a estante do Espinosa :p
      eu sei que livros tenho, mas são tão poucos...

      Eliminar
    2. ui, nem sabes a quantidade de vezes que já me apeteceu imitá-lo. mesmo que seja só para experimentar, a ver se resulta :)

      Eliminar
    3. eu só o faria num armário alto, com portas, e numa parede estreita. é uma ideia a marinar... prateleiras e prateleiras de livros... hum... o que eu pouparia em prateleiras de madeira :D

      Eliminar
  7. As minhas estantes são da Ikea, mas com o serviço de transporte e montagem.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. eu ainda fui ver as billies no catálogo do ikea, mas eu queria umas com os armários sem vidros, para enfiar lá tudo sem se ver, como as revistas antigas da NGP e os catálogos das exposições e mais caixas, caixinhas, cabos de tudo e de mais alguma coisa... uma despensa :)

      Eliminar
  8. hahahah
    as tuas shelfies! também tenho as minhas para mostrar.
    quando era mais petiz, tinha os livros em cima do roupeiro (as prateleiras eram poucas) e tinha então fileiras de livros em cima do roupeiro. era chato, "ganhava" muito pó e não fácil de limpar. sonhava então em ter a secretária dos meus sonhos e prateleiras de cima a baixo - só queria prateleiras mesmo mas lá me convenceram que não, que para "ficar bem" tinha de ter umas portas fechadas em baixo e depois ainda me meteram umas gavetas lá pelo meio. também tenho o meu "bric-à-brac", que não se tratando propriamente de antiguidades, reúne todos os meus tesouros: caixinhas, bibelots, mais caixinhas, 2 mealheiros de quando era miúda (um porquinho de quando era mesmo mesmo miúda e uma casinha que um banco qualquer oferecia na abertura de uma conta jovem). são os meus tesouros e estão onde devem estar: na minha biblioteca/escritório (que era o meu antigo quarto) :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. na casa da minha mãe não havia muitos livros, começou a comprar no círculo de leitores, tenho algumas colecções, asterix, estrumpfes, mas livros avulso, romances pouco havia. eu comprava BD, donald e afins, em segunda-mão de dinheiro que recebia em aniversários - nada de mesada, que não sou desse tempo - e depois revendia à mesma loja ou trocava por outros. e também colocava em cima do guarda-fatos, empilhados e a apanhar pó.

      Eliminar
    2. a minha também começou a comprar no círculo de leitores: uma colecção de dicionários da língua portuguesa, júlio dinis, eça de queirós, etc. depois eu quis colecções que tinham a ver com geografia e natureza e ela comprou. só então cresci (?) e requisitava na biblioteca municipal e na da escola. a comprar comecei mais tarde, nas feirinhas e feiras de livros, nas livrarias. agora é o descalabro :)

      Eliminar
    3. lembro-me de dois primeiros livros que a minha comprou no CL, um, salvo erro, era 'teco na cidade', o outro era 'max faz um amigo'. o teco era um gato e eu fiquei com ele. o max era um cão e foi para o meu irmão. a minha mãe já nos conhecia bem, aos 6 anos :p
      depois comprou 'o rapaz dos hipopótamos', eu não gostava dos desenhos, mas isso não impedia de o ler. tinha um prazer mórbido, mesmo. achava os hipós pavorosos, aliás, todos os desenhos. depois foram os estrumpfes, e para ela o aquilino ribeiro, o júlio dinis e afins. depois parou de os comprar.

      Eliminar
  9. A protecção civil aconselha isso? LOL Medo. Quanto trabalhei na área numa ouvi falar de tal coisa LOLOLOL

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. não compreendo de que te ris. estás a gozar? a protecção civil sempre aconselhou isso. vê, por favor, este folheto de autoprotecção para sismos, mas pode ser aplicado em todas as situações: objectos pesados nas prateleiras mais baixas. aconselho-te a informares-te melhor...
      http://www.prociv.pt/educid/RecInformativosPedagogicos/Documents/Sismos_Aut.pdf

      Eliminar
    2. Estou-me a rir porque trabalhei na protecção civil (não na nacional).

      Eliminar
    3. se tu o dizes...
      mas estou a estranhar um cdos ou um smpc não conhecer estas medidas.

      Eliminar
    4. Eu não conhecia LOL agora já conheço LOL Mas também trabalhava com outras coisas.

      Eliminar
    5. ah, bom, tu não conhecias.
      a informação está disponível há muitos anos...
      mas eu também não conheço muitas coisas do meu trabalho. e não, não é na pc...

      Eliminar
    6. e foi. por isso é que achei estranha a tua resposta.

      Eliminar