sábado, 25 de outubro de 2014

Deus

A propósito do poema de Ruy Belo que publiquei ontem, somos sempre olhados, sempre. Seja por deus / igreja católica (ou outra), seja pelos outros. Mas o peso de algo divino é o que terá mais valor, penso eu, mesmo que nos afastemos ao longo da vida. Podemos não orar, a missa pode não contar com a nossa presença, mas o que subsiste será a crença no divino.

Assim, ou há um afastamento total e a pessoa se torna ateia, e no futuro, nada é inculcado aos seus filhos (isto se os tiver), ou continua a crer numa entidade superior, benevolente ou castigadora, consoante a interpretação que se queira fazer.

E todas as inquietações, questões, dúvidas, fazemo-las no nosso íntimo. 'Somos sempre olhados' somos nós, quando duvidamos, questionamos, aceitamos.

Bom, este blogue não é canto para questões metafísicas. Apenas associei o poema ao catolicismo e à igreja. Certo é que ainda há muitos passos para dar, pese embora o esforço do Papa Francisco para mudar os comportamentos. Sabemos bem como as mentalidades perduram e o facto de o Sínodo dos Bispos não ter aceite o acordo sobre o divórcio e os homossexuais é um bom  exemplo.

Para terminar, deixo-vos com um excerto de uma peça de Bernardo Santareno, incluída no livro 'Os marginais e a revolução', publicado em 1979.

 A peça é 'A confissão' e tem como protagonistas, neste caso (porque há mais duas mulheres), um padre e um travesti, uma mulher no corpo de um homem, a que só falta, apenas, ser operado.

"CONFESSOR
Entre os pecados do homem, o pecado contra a natureza, o pecado nefando, é um dos piores. Lembre-se de que, em todo o Evangelho, não há uma palavra, uma só!, com que Deus queira lembrá-lo. É o silêncio absoluto, infinito, eterno. E Jesus perdoou à prostituta Maria Madalena!

FRANÇOISE
Jesus tapa o nariz, cerra os olhos e esgueira-se muito ligeiro para que eu não lhe toque: Antes o leproso, não é? O Padre diz que Ele me ama... Que raio de amor!? Em toda a eternidade, não teve uma palavra, uma única palavra para me dizer! É o silêncio mais negro: Aquele silêncio que contém todas as recriminações, todos os castigos, todas as acusações, todos os desprezos! Está-se nas tintas, o Cristo: Encolhe os divinos ombros, faz vista grossa, pira-se! Que raio de amor!?...

CONFESSOR
Pschiu! Fale mais baixo. Está a blasfemar. Vá-se embora! Volte amanhã ou outro dia em que esteja mais calmo. Assim não posso...

FRANÇOISE
Tem de poder, Padre! Agora, vai-me ouvir até ao fim. É hoje que eu preciso de si, é hoje que eu quero a absolvição! Estou desesperado, já não sou homem nem mulher, sou um aborto, um monstro! Tem de me absolver hoje, agora! O Padre quer recusar-me um sacramento?! (Pausa. Exausto.) Deus abandonou-me... (Num arranco de alma:) Mas eu não tenho culpa! Já quando era pequeno, com dois ou três anos, a minha mãe me chamava a sua «menina»... mais tarde, na escola, todos os miúdos me gritavam aquele «maricas!» que tanto me fazia doer... E eu todo ferido, a sofrer, sem compreender nada...! Que culpa tive eu, diga-me Padre? Depois, na padaria... Esquecia-me de lhe dizer que estive empregado numa padaria, entre os doze, treze anos... Na padaria, todos os fregueses me chamavam a «padeirinha de Aljubarrota!» A loja ficava perto de Alcobaça, em Aljubarrota. Era eu a «padeirinha de Aljubarrota»! Depois... depois vim para Lisboa e, num instante, fiquei a «bela Françoise»! Tive amigos influentes, ensinaram-me muitas coisas, instruiram-me, fiz exames, aprendi francês e inglês... mas depois vieram os chulos. Habituei-me à crueldade dos chulos. Não sei viver sem um. (Silêncio dorido.) Mas tudo isto é letra morta para si, Padre: Não vem no Evangelho. Deus teve vergonha. (Gargalhada nervosa.) E eu que vim aqui, a esta igreja, pela primeira vez, porque me disseram que o senhor era um bom confessor, muito compreensivo! Isto é o carnaval, é o carnaval da minha vida que continua... ! (Riso estridente.)

CONFESSOR
Pschiu! Cuidado, fale mais baixo, não faça escândalo!?...

FRANÇOISE
(falando alto)
E porque não hei-de fazer? Eu sou o escândalo! Porque não hei-de gritar a verdade?...

CONFESSOR
(furioso)
Porque eu não quero, porque eu lhe proibo...!"

4 comentários:

  1. Os problemas com a religião são daqueles que por razões pessoais, nunca debato em público.
    Bernardo Santareno, é quanto a mim o melhhor dramaturgo português do século XX.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. sim, concordo.
      estou a gostar de BS. nunca tinha lido nada. falta-me a última peça.

      Eliminar
  2. esse trecho é extraordinário. achas o BS datado? e não falo da linguagem, mas dos temas, da visão do mundo que os enforma.

    o tema de deus e das religiões é, obviamente, muito complexo. mas não o considero íntimo. não o discuto com quem sei à partida que não vale a pena discutir, não o discuto com quem sei que se vai chocar, e, claro, fora de questão dscuti-lo com fundamentalistas. mas não é, para mim, um tema íntimo, fora da discussão. aliás, se calhar é mesmo, do ponto de vista civilizacional, o tema que mais merece discussão (já que os grandes temas do amor e da morte são misteriosos e esses sim, fora do tráfego do debate intelectual).

    neste aspecto, reivindico-me um seguidor do apóstolo Saramago. que eu me lembre não houve outro intelectual com quem eu me identificasse tanto neste tema como com ele.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. exacto, não discuto com quem tem 'antolhos'. não consigo, daí ser uma conversa íntima. quem respeita, claro que deve haver diálogo e discussão.
      claro que não. BS é absolutamente actual! estou a adorar. aliás trouxe duas peças da biblioteca e a que estou a ler nem está no Goodreads: 'a traição do padre Martinho'. escrita em 1969, mas estou com a 3.ª edição, de 73.
      vou publicar um excerto, claro.

      Eliminar