sábado, 31 de janeiro de 2015

O segundo gato


Em cada gato há outro gato
um pouco menos exacto
e um pouco menos opaco.

Um gato incoincidente
com o gato, iridescente,
caminhando à sua frente

ou a seu lado,
espírito alado
do que é terrestre no gato.

É o segundo gato
que permanece acordado
com o gato afundado

em sono abstracto,
aos seus pés enrolado,
espécie de gato do gato.

Ou que, mais tardo,
deambula pela sala
enquanto o gato se lava,

às vezes assomando
nos olhos do gato
como um passado imóvel e

enclausurado.
O próprio gato
não sabe

que anda por ali
algo que não cabe
dentro nem fora de si.


Manuel António Pina, Todas as Palavras - Poesia Reunida (1974-2011), Assírio & Alvim, 2012.

10 comentários:

  1. Preciso de um gato, reformulo gatão :)

    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. tu não me estragues o momento poético :p
      bjs.

      Eliminar
  2. Só gente que não tem gatos pode misturar os dois conceitos, Margarida.
    Eu adoro mesmo gat@s e estou-me nas tintas para os "gatos".

    ResponderEliminar
  3. Belíssimo poema, de alguém que, para além de ser um grande poeta, amava e conhecia bem os gatos!
    Um abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. os gatos do PIna :)
      os poemas do Pina, que partiu cedo demais...
      abraço.

      Eliminar
  4. há 'coisas' a que só o MAP conseguia dar palavras. uma espécie de magia, retorta de alquimista.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. ele era um mago das palavras. e dos gatos.
      (estou à espera que alguém comente os meus meninos... ;))

      Eliminar
    2. (é verdade! então o César à janela, parece uma fera que eu cá sei. ó pá, ontem à noite achei que enlouquecia, fez tanta asneira, tantas tropelias, ai deus dos gatos parvos, dai-me paciência...)

      Eliminar
    3. :D
      ontem tinha uma vela de cheiro acesa no móvel da sala, junto à tv e os gatos a teimarem que queriam subir para cima da tv e eu a gritar e eles a subir. até que se acalmaram e se deitaram os 4 no sofá ao meu lado...
      e esta manhã, quando me levantei, estavam na cozinha. eu tinha fechado mal a porta. não gosto nada quando eles para lá vão, que sobem para a bancada e bebem a água da tartaruga. enfim, nunca há sossego :p
      mas enquanto nos chateamos com os gatos, não pensamos em coisas tristes :)

      Eliminar