domingo, 11 de janeiro de 2015

Tristano morre

   Esta é a vida, estas são as memórias de Tristano, que fora um soldado italiano estacionado na Grécia durante a Segunda Guerra Mundial. Revoltado contra mortes sem sentido, mata um nazi e transforma-se em herói.
   No início deste século, sessenta anos passados, Tristano encontra-se moribundo, com gangrena, confinado à cama e à morfina e decide contar a sua vida a um escritor que escrevera um livro sobre o herói Tristano.
   Todo o livro é um monólogo em tom melancólico, por vezes cínico, desiludido com os poderes entretanto instituídos, de alguém às portas da morte, agonizante e amargurado, que discorre sobre a coragem, a vida, a liberdade, a traição e a cobardia, até ao surgimento do audiovisual, o último dos tiranos, a quem denomina de Blateleblá.

6 comentários:

  1. Margarida, foste tu que me recomendaste o Nocturno Indiano, de Tabucci?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. não, Horatius. esse ainda não li. se a memória não me falha, foi o Sérgio.

      Eliminar
    2. Também creio que foi ele. MAs como te vi agora com um livro dele, pensei que pudesses ter sido tu.
      Por um mero acaso, esse livro veio parar-me às mãos como oferta.

      Eliminar
    3. que giro. este é da biblioteca. quero lê-lo, também, claro :)

      Eliminar
    4. Tu és uma fã da Biblioteca, estou a ver :)

      Eliminar
    5. tão fã que me proibi de requisitar livros tão cedo. deixei passar o prazo de entrega destes que aqui tenho e estou de castigo. é acabar 'a tábua de flandres' e regressar aos meus. ai, mas como custa :p

      Eliminar