quarta-feira, 28 de janeiro de 2015

Vida

   O meu coração está a bater mais rápido do que bateu ontem, quando passei a manhã a dar uma formação a professores (com mais duas colegas) numa escola em Odivelas. Na sexta, vou a uma entrevista num organismo público em Lisboa, para uma possível mobilidade, organismo esse que tem um pólo na minha cidade.
   Ah, sim, aproveito a deixa para informar que obtive uma resposta negativa de uma instituição de Viseu e de outra para onde enviei o pedido há meses nem resposta recebi.
   Mas acredito que está tudo alinhado. Ou este é o meu ano :)
   Estive três semanas fora do serviço, em formação, regressei na segunda, passei o dia todo, com as duas colegas sentadas ao meu lado em redor do pc, a fazer a apresentação, a arranjar vídeos, legislação, etc, ainda a levei para casa para os últimos retoques e leituras. Antes de sair do trabalho, encontrei no corredor (pois a caminho do wc, claro, que melhor lugar), uma antiga colega que está nesse organismo, sito em Lisboa, que quer regressar ao meu serviço por ficar mais perto de casa. Olha que coisa. Assim como me levanto às 6 da matina para chegar ao taguspark às 8.20, também ela se levanta à mesma hora, fazendo o percurso contrário. E conversa puxa conversa, lá vou à tal entrevista com a chefe dela, num local que fica no centro de Lisboa, próximo do marquês de pombal. Será um trabalho diferente, totalmente diferente, sei lá se me aceitam, mas é pensar positivo!
   Posso não ir para a terrinha tão cedo quanto queria (é verdade que em termos de mobilidade, ou conhecemos alguém e é rápido, ou se não conhecemos, ui, se demora, ou então, temos sorte e estamos no lugar certo no momento certo). Mas o desejo que regressar à minha linda cidade continua, não o perdi. Pode é demorar um bocadinho mais de tempo :)
   Até lá, é esperar por sexta de manhã e cruzar os dedos.

14 comentários:

  1. Recordo-me de falares sobre a ida para Viseu, que tanto queres. A vida, pelos vistos, quer que fiques mais um pouco por cá. Claro que a qualidade de vida em Viseu é muito melhor. Não há preço que pague a tranquilidade, o sossego.

    Boa sorte neste novo percurso. :)

    um grande beijinho.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. eu não fiquei assim tão desmoralizada por não ter recebido respostas boas. sabia que iria demorar. e esta entrevista nem estava pensada. surgiu a oportunidade por acaso e eu agarrei :)
      obrigada, Mark.
      bjs.

      Eliminar
  2. Boa sorte Margarida! Que tudo corra como queres! Bjs

    ResponderEliminar
  3. Há-de correr tudo bem! Estão a abrir-se muitas oportunidades para ti, estas últimas semanas são a prova disso. ^^
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  4. Estou a fazer figas para que tudo corra pelo melhor :D

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  5. Para já era bom conseguires este objectivo. Que tudo corra bem, fico a torcer...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. obrigada, João. se conseguir entrar neste organismo, será meio caminho andado :)

      Eliminar
  6. Que tudo corra supimpamente procê. Torcida não falta! :-)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. :) obrigada! já me preparei. fui ao site da organização e imprimi muita coisa. agora vou estudar ;)

      Eliminar
  7. boa sorte para hoje, Margarida.
    e a terrinha pode tardar, mas não faltará :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. este mundo é um ovo, como diz o nosso amigo Francisco. a chefe com quem eu tive a entrevista foi minha chefe há 10 anos, no antigo serviço.
      que sorte! :p eu gosto dela, ela lembrava-me muito bem de mim, claro. agora é a questão orçamental que conta, porque é outro ministério. mas como sairá uma técnica, eu entraria, digamos, com 'a verba' dela. eles não perderiam nada. é esperar. :)
      a terrinha lá fica em suspenso, por enquanto.

      Eliminar