sexta-feira, 6 de fevereiro de 2015

César, take 28º

   Acabei de ler o post do Miguel e lembrei-me do meu gato. Mas o César não quer brincadeiras. Mal eu abro a porta, às 7h05 da matina, esgueira-se pelas minhas pernas e foge. Não são os seis quilos que agora pesa que o atrasam. Não, nem o vejo. É um foguete pelas escadas abaixo. Bem que tento abrir apenas uma frincha, para eu e a mochila passarmos, mas ele consegue escapulir-se. Ontem, lá fui, mais uma vez, a correr até ao primeiro andar, enquanto murmurava baixinho, para não assustar os vizinhos 'César, ó César, sacana do gato, olha lá as horas que ainda me fazes perder o comboio!' Hoje, ficou pelo segundo, pois ouviu a vizinha a preparar-se para abrir a porta da sua casa.
   Eu nem me importo que o gato queira sair, sendo curioso por natureza. Importo-me é que seja em dia de trabalho.
   O César não tem medo de nada. Vivesse eu no campo e o gato estaria livre, no seu ambiente natural. Aqui, salta para cima dos armários, corre com a Dalila, são autênticas corridas de fórmula 1 entre a sala e o seu quarto, quer impor-se à Alice, a mais velha, ela não o suporta, dá-lhe uma patada, ele vinca-lhe as presas no lombo, ela mia desalmadamente.
   Ah, mas nunca há monotonia com os meus gatos e não posso imaginar a minha vida sem eles, :)


14 comentários:

  1. eu para sair de manhã, na maior parte dos dias, prefiro pegar nele ao colo, sair e depois metê-lo lá dentro e fechar rapidamente a porta. e, claro, contar os arranhões e as dentadinhas.

    à chegada é que não há maneira de evitar, o gajo pisga-se logo. e agora goza comigo, põe-se a miar, a chamar-me e quando vou atrás dele desata a correr e a fugir.
    às vezes não vou atrás dele, faço de conta que não é nada comigo e deixo-me estar em casa e ele, é claro, não demora muito a vir a correr ver o que se passa e desafiar-me. este método tem um inconveniente: enquanto ele não volta (questão de segundos, nota) eu estou de coraçãozinho apertado, com medo que alguém abra a porta da rua e o deixe sair, ou mesmo que alguém o veja e aconteça qualquer coisa, que medo!

    ResponderEliminar
  2. Respostas
    1. ah, vou experimentar essa de pegar o gato ao colo. o pior é que a elvira também aparece. estás a ver a cena? em vez de um, terei dois. ela ainda não vai para o patamar, vá lá...
      à noite, tenho 3 sargentos à minha espera no hall, a dalila não, que tem medo de mim, ainda.

      Eliminar
    2. esqueci-me, são os meus cartoons preferidos, alguns, pelos menos :) já os tinha aqui colocado.

      Eliminar
  3. Se fossem crianças, aqui no campo dir-se-ia "brigas de cachopos". Assim diz-se "brigas de bichanos". BBs, estás a ver? xD

    ResponderEliminar
  4. Ai a educaçãozinha...
    Os gatos por natureza gostam de se pirar, mas um berro alto e uma ameaça com a mão, e toca de se pirarem para dentro de casa.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. um berro bem alto nas escadas do meu prédio às 7 da matina acordaria os vizinhos com o eco! :p eu não consigo fazer isso. até há poucos anos, com outros gatos, ninguém sabia que eu os tinha, que não faziam barulho.
      não, sou uma vizinha muito responsável ;) mas sou uma dona muito permissiva, concedo.

      Eliminar
    2. :D eu não gosto de ter vizinhos por cima, daí ter escolhido o último andar.

      Eliminar
  5. Grande César,

    Um dia explico-te quem foi o César na minha vida :)

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  6. O César, bem como todos os teus animais, é amoroso. São lindos.

    um beijinho e festinhas no pêlo aos meninos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. são sim, apesar destes momentos exasperantes. agora estão comigo ao sol da sala :)
      festas dadas, muitas :)
      bjs.

      Eliminar