terça-feira, 10 de fevereiro de 2015

Uma prosa sobre os meus gatos

Perguntaram-me um dia destes
ao telefone
por que não escrevia
poesia (ao menos um poema)
sobre os meus gatos;
mas quem se interessaria
pelos meus gatos,
cuja única evidência
é serem meus (digamos assim)
e serem gatos
(coisa vasta, mas que acontece
a todos os da sua espécie)?
Este poderia
(talvez) ser um tema
(talvez até um tema nobre),
mas um tema não chega para um poema
nem sequer para um poema sobre;
porque é o poema o tema,
forma apenas.
Depois, os meus gatos
escapam de mais à poesia,
ou de menos, o que vai dar ao mesmo,
são muito longe
ou muito perto,
e o poema precisa do tempo certo
de onde possa, como o gato, dar o salto;
o poema que fizesse
faria deles gatos abstractos,
literários, gatos-palavras,
desprezível comércio de que não me orgulharia
(embora a eles tanto lhes desse).
Por fim, não existem «os meus gatos»,
existem uns tantos gatos-gatos,
um gato, outro gato, outro gato,
que por um expediente singular
(que, aliás, também absolutamente lhes desinteressa)
me é dado nomear e adjectivar,
isto é, ocultar,
tendo assim uns gatos em minha casa
e outros na minha cabeça.
Ora só os da cabeça alcançaria
(se alcançasse) o duvidoso processo da poesia.
Fiquei-me por isso por uma prosa,
e mesmo assim excessivamente corrida e judiciosa.

31/3/99

Manuel António Pina, Todas as Palavras; Nenhuma Palavra e Nenhuma Lembrança, p. 271.

Parabéns, Miguel.

10 comentários:

  1. obrigado Margarida. um beijinho muito grande neste dia que é muito especial para ti.

    e o poema é lindíssimo, cheio do humor do MAP, a começar pela 'prosa' :)

    ResponderEliminar
  2. Ainda bem que me lembraste o aniversário do Miguel.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. o Miguel e a minha mãe nasceram no mesmo dia.

      Eliminar
  3. O tema "gatos" é uma fonte de inspiração. :)

    um beijinho, Margarida.

    ResponderEliminar