quinta-feira, 26 de março de 2015

WS de tecelagem

   No ciclo preparatório, tive Trabalhos Manuais. Fiz uma base para a mesa em ráfia, um cinzeiro de barro e uma tábua de cozinha. Do 7.º ao 9.º, tive disciplinas como madeiras e horto-floricultura. Nunca mexera num tear, nem no mais simples, de pregos.
   Há uns tempos, inscrevi-me num workshop de tecelagem. Conheci a tecelã no curso de formação pedagógica de formadores, em Janeiro passado. Ela tem um atelier no Seixal e, para dar formação, necessitava do curso.
   Na terça-feira, foi o último dia. Passava das onze da noite quando acabou. Confesso que deixei umas pontas por rematar, finalizando-as em casa (coisa que ainda não o fiz).
   Em certas alturas, tive vontade de desistir. Não é fácil. Exige muita concentração. No início, é pura matemática, temos de calcular os fios para a teia e para a trama, de acordo com a medida da peça. Depois, é fixar os quadros, seguir os gráficos, ter muito cuidado para a naveta não entrar no fio errado.
   Teia, trama, urdir, marcar a cruz dos cadilhos, liços, restilho, órgão, remissa, naveta, puas, quadros, marchas, ourelas, pouca ou muita batida, embebimento, passeta, tantos termos que desconhecia. O mais importante, aprendi. Aprendi saindo da minha zona de conforto. Até janeiro, nunca tinha pensado em fazer este tipo de formação. Estava muito longe de querer aprender a trabalhar num tear. Nem sabia que no Seixal havia um atelier.
   Foi cansativo, mas gostei muito. E ter sido realizado perto de casa foi óptimo.








16 comentários:

  1. Que pena já não existir a fábrica da minha família, que eu te mostrei por fora agora transformada numa excelente residência universitária.
    Se existisse ainda, eu ter-te ia mostrado todo o processo de tecelagem, mas de qualquer forma fica uma dica - quando voltares à Covilhã, visita o Museu dos Lanifícios, instalado numa dependência (independente) da U.B.I. Vais adorar.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. irei visitar, sim. :) obrigada pela lembrança.
      ainda te recordas dos passos? como me custou enviar os fios no olhal dos liços... e depois passar o fio pela pua com a passeta, como a foto em cima ilustra. muito trabalhoso, de facto.

      Eliminar
  2. "Teia, trama, urdir, marcar a cruz dos cadilhos, liços, restilho, órgão, remissa, naveta, puas, quadros, marchas, ourelas, pouca ou muita batida, embebimento, passeta..." Acho que aquilo que nos encanta nos livros são as palavras. mais do que a história, é a linguagem, esse prodígio de dar nome às coisas, ao mundo, à vida.


    a minha cunhada é artesã, faz tecelagem, é especialista em teares, alguns deles construídos pelo meu irmão. apesar de estar habituado a "ouvir falar" nunca experimentei.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. que engraçado. não fazia ideia. nunca conversámos sobre isto. :)
      as palavras, e saber o que significam, finalmente :)
      eu trabalhei num tear de 4 quadros, de baixo liço. agora, é tentar fazer uma peça, fiz apenas uma pequena amostra. o atelier aluga o tear, mas a dona terá de vir a reboque, que não consigo fazer a obra de arte sem ajuda.

      Eliminar
  3. Eu comprei um mini-mini-mini-tear na Tiger, e tenho-o ali à espera que o experimente lol Depois de ler este texto perdi mais a vontade de tentar lol

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. não deves fazer isso. é dinheiro empatado, se não vais usar o tear. e se o compraste, deves ter algumas noções de como o utilizar. o importante é começar :)

      Eliminar
  4. Margarida, não sei se o comentário anterior "ficou". Eu em miúda fiz um tapete - a minha mãe diz que ainda existe e que mora num armário qualquer lá de casa :)

    Raquel aka Blue

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. não ficou, mas este sim :)
      não farei tapetes, por causa dos gatos. não tenho nenhum em casa, nem no quarto. pois, gatos e tecelagem não são os melhores amigos :p
      afinal, a tecelagem não vos é desconhecida, que bom :)

      Eliminar
  5. A minha avó tinha tear. A minha mãe e tias teciam colchas, lençóis de linho,mantas........ Gostei do teu trabalho. Podes fazer uma tapeçaria e colocar na parede. Aqui no norte o tempo está a ficar bom. Beijos. Lídia

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. pois, se calhar :) longe dos gatos :) a minha amostra irá para a parede do quarto, pendurada numa varita de bambu. Uma manta é giro, mas leva muita teia. ainda não...
      bjs e boa estada na terra.

      Eliminar
  6. Parece ser tão giro. Nunca teci nada. Tive uns trabalhos manuais no liceu, em Educação Visual, parece-me, em que fiz um estojo a lã. Há quanto tempo!...

    um beijinho.

    ResponderEliminar
  7. giro :) trabalhoso, confesso, mas só estás concentrado naquilo e esqueces o resto. bom para a cabeça.
    nunca fiz trabalhos em lã. mas pode fazer-se muita coisa em tecelagem, querendo :)
    bjs.

    ResponderEliminar