quarta-feira, 14 de outubro de 2015

O conto do João Máximo

   Loiras, ruivas ou morenas?

   “Nós, os desse tempo, ainda nos lembramos.”, declarou um velho, de repente.
   Tinham-se refugiado da chuva naquele bar. Ao balcão, estavam dois velhos e o empregado, quase tão idoso como eles, limpava um copo com um pano da loiça amarelo.
   Pediram dois finos e fizeram um sinal. As duas taças foram cheias. Os velhos olharam para eles e ergueram-nas numa saudação.
   “No dia da inauguração, há cinquenta anos, a casa estava cheia.”, prosseguiu. Um gole. Satisfeito, deu um estalido com a língua. “Tinham colocado uma grande faixa à porta três dias antes. Na data marcada, as pessoas acotovelavam-se à entrada, à espera que abrissem as portas, com os bilhetes na mão. Sentámo-nos na grande sala nova em folha. O proprietário fez um pequeno discurso sobre o inesquecível espectáculo que íamos assistir nessa tarde. Depois, pediu silêncio e afastou-se. Os cortinados foram abertos e a grande tela branca apareceu. Os meus olhos brilhavam de expectativa. Ao fundo, ouviu-se um ruído estranho e uma fina claridade surgiu no alto da sala. O filme tinha começado.”
   Escutavam-no, cativados.
   “Assim se inaugurou o cinema do bairro. A faixa continuou pendurada até ao fim do Verão. As palavras já mal se viam, desbotadas, mas ninguém se tinha esquecido do que anunciava”. O velho acabou de beber o vinho.
   O amigo suspirou e enleado naquelas recordações, terminou de olhos fechados:
   “Loiras, ruivas ou morenas? As grandes divas do cinema agora ao pé de si. Sessão inaugural no dia 21, às 16 horas.”

16 comentários:

  1. muito bem. o título tinha um certo ar a anos 50 que tu descobriste e desenvolveste muito bem.
    estou a gostar muito desta série, em que andas a construir narrativas a partir da imaginação.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. :)
      a ideia surgiu logo, mas colocar no papel foi mais complicado.
      e eu quero que as histórias tenham um fio condutor. até agora parece que tenho conseguido.

      Eliminar
  2. Um dos desafios da blogosfera com o melhor resultado. Parabéns.
    Espero ansiosamente por 2016, que, como bem disseste, estou no fim da fila.

    ResponderEliminar
  3. :-) well done! Com esse titulo pensei logo em cerveja lol mas depois acho que não há nenhuma "considerada" morena, ou há?

    O que interessa é que as divas do cinema de outros tempo tinham classe e foi o que conseguiste com este conto.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. obrigada.
      cerveja preta :p
      era previsível, mas não, o cinema surgiu logo. se pesquisares, a Bette Davis foi morena, ruiva e loira :)

      Eliminar
  4. Fabuloso como sempre

    Parabéns, já sou fã nº 1

    ;)

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  5. Deste-lhe a volta! eheheh e ficou a saber-me a pouco, até julguei que tinha muito menos que as 250 palavras do desafio, mas não, tem 246! Good job!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. obrigada, João.
      escrevo os contos em word antes de os copiar para aqui. o word tem um contador de palavras. não vale a pena perderes tempo em contá-las :D

      Eliminar
  6. Estava na expectativa se poderia ser algum "trocadilho" com a cerveja, por isso ansiei pelo fim do texto e adorei a forma como inseriste o título avançado pelo João. Muitos Parabéns! Mais um texto excelente. Bjs

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. nunca seria a cerveja :)
      obrigada, Namorado.
      bjs.

      Eliminar
  7. O título sugere aquelas conversas porcas de homens sobre gajas. Sem fugir a isso, das lhe a volta com.muita classe :-)

    ResponderEliminar