quinta-feira, 26 de novembro de 2015

O conto do Namorado

   Porque tenho medo da solidão

   Caminho sem pressa. Espera-me uma casa vazia. Olho sem interesse uma velha sapataria, vejo os modelos ultrapassados, um espaço sem vida, como o reflexo que me olha pelo vidro da montra. Enfio as mãos nos bolsos do casaco, enquanto o meu olhar deambula pelo prédio ao lado. Acompanho o baloiçar de uma cortina transparente numa janela aberta. Páro em frente a um rés-do-chão. Espreito de viés e percorro a pequena divisão com um relance rápido.
   Vejo-o sentado num sofá castanho. Apoia os cotovelos nos braços puídos e olha para a televisão. Por trás de si, na parede a descascar, está pendurada uma grande fotografia. Pende sobre o lado esquerdo e o velho caixilho de madeira dourada está rachado nos cantos. O vidro com manchas de humidade protege a imagem amarelecida pelos anos. Mostra um bebé, com um caracol loiro sobre a testa e vestido debruado a renda, ao colo de uma jovem mulher.
   Não há som. Apenas um cone de luz branca, quebrado pela passagem incessante dos canais, bate naquele rosto sulcado pelas rugas. Um dedo mirrado pela artrite carrega no botão do comando.
   A luz mortiça fixa-se de repente. Ele vira o rosto e olha para mim sem expressão. Tem um nariz com pequeninas veias roxas e os óculos pesados transformam os seus olhos em pequeninos pontos. Fixa-me durante uns breves segundos e, de seguida, torna a olhar em frente, alheado. As imagens tornam a passar no ecrã e eu ali fico, a mirar-me.

10 comentários:

  1. wow, tão bem feito. mais um conto com um tonzinho gótico :) estás-te a aprimorar no estilo ;)
    acho que está tão com construído, tão bem concretizado. tão forte e impressivo.

    ResponderEliminar
  2. A solidão é um assunto que me assusta e nos últimos tempos vejo-me a ponderar mais esta possibilidade como nunca. Como estarei aos 70 ou 80? Ficarei sozinho, alheado de todo o mundo que conheci à espera da morte? Sem ninguém ao meu lado? Confesso que sofro imenso com isso, e por isso li e reli este teu texto, maravilhoso como sempre. Fez-me pensar que numa solidão podem estar envolvidas outras "solidões" e que esse meu medo, receio, não é de todo infundado. Fiquei arrepiado a lê-lo. Obrigado. :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. contrariamente ao que a maioria julga, não são só os velhos que estão sós. há muitas pessoas novas que vivem na mais completa solidão, mesmo rodeadas de conhecidos e vizinhos. não há laços entre elas. e isso é terrivelmente triste.
      há que tentar dar a volta, mas sei que com pessoas muito reservadas e introspectivas, torna-se difícil.
      de nada :)

      Eliminar
  3. todo o conto transborda a sensação de solidão. Muito bonito (e triste)

    ResponderEliminar
  4. Este conto é a cara do namorado :)

    beijinhos

    ResponderEliminar
  5. Eu não quero viver até ficar velho, e tenho medo dela (da solidão) não porque me assusta mas porque me acompanha, Já a conheço de uma forma que poucos imaginam, e por mais que eu finja que ela não existe, é ela que me mira e não o contrário. Belo conto!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. todos nós já nos sentimos sozinhos, de uma forma mais ou menos permanente. o mais triste é o sentimento de abandono.
      mudar a situação só depende de cada um, passo a passo.
      obrigada.

      Eliminar