domingo, 26 de fevereiro de 2017

Jantar com Cruzeiro Seixas

   Na sexta-feira da semana passada, dia 17, fui, com a Magda e uma sua amiga, à tertúlia-jantar no Café Martinho da Arcada, que teve como convidado Artur do Cruzeiro Seixas.
   Foram bastantes e pertinentes as perguntas do organizador destas tertúlias (que regressaram este ano para celebrarem mais um aniversário deste famoso local). Da infância à adolescência, passando pela amizade com Cesariny, a ida para África, não esquecendo a homossexualidade e alguns casos tristes, como a situação das suas obras na Fundação Cupertino de Miranda, e, mesmo, a sua velhice, Cuzeiro Seixas respondeu com franqueza, lucidez, com humor, resignação e tristeza, às questões que lhe foram colocadas pelo organizador desta iniciativa.
   Aos 96 anos, Cruzeiro Seixas recitou de cor, de olhos fechados, vários poemas, que encerraram em beleza a tertúlia (Mário de Sá-Carneiro, José Régio, Fernando Pessoa). Fica o registo de dois deles:

O Lord

Lord que eu fui de Escócias doutra vida
Hoje arrasta por esta a sua decadência,
Sem brilho e equipagens.
Milord reduzido a viver de imagens,
Pára às montras de jóias de opulência
Num desejo brumoso --- em dúvida iludida...
(--- Por isso a minha raiva mal contida,
--- Por isso a minha eterna impaciência.)

Olha as Praças, rodeia-as...
Quem sabe se ele outrora
Teve Praças, como esta, e palácios e colunas ---
Longas terras, quintas cheias,
Iates pelo mar fora,
Montanhas e lagos, florestas e dunas...

(--- Por isso a sensação em mim fincada há tanto
Dum grande património algures haver perdido;
Por isso o meu desejo astral de luxo desmedido ---
E a Cor na minha Obra o que ficou do encanto...)

Mário de Sá-Carneiro


Quási

Um pouco mais de sol - eu era brasa, 
Um pouco mais de azul - eu era além. 
Para atingir, faltou-me um golpe d'asa... 
Se ao menos eu permanecesse àquem... 

Assombro ou paz? Em vão... Tudo esvaído 
Num baixo mar enganador de espuma; 
E o grande sonho despertado em bruma, 
O grande sonho - ó dôr! - quási vivido... 

Quási o amor, quási o triunfo e a chama, 
Quási o princípio e o fim - quási a expansão... 
Mas na minh'alma tudo se derrama... 
Entanto nada foi só ilusão! 

De tudo houve um começo... e tudo errou... 
- Ai a dôr de ser-quási, dor sem fim... - 
Eu falhei-me entre os mais, falhei em mim, 
Asa que se elançou mas não voou... 

Momentos d'alma que desbaratei... 
Templos aonde nunca pus um altar... 
Rios que perdi sem os levar ao mar... 
Ansias que foram mas que não fixei... 

Se me vagueio, encontro só indicios... 
Ogivas para o sol - vejo-as cerradas; 
E mãos de herói, sem fé, acobardadas, 
Puseram grades sôbre os precipícios... 

Num impeto difuso de quebranto, 
Tudo encetei e nada possuí... 
Hoje, de mim, só resta o desencanto 
Das coisas que beijei mas não vivi... 

. . . . . . . . . . . . . . . 
. . . . . . . . . . . . . . . 

Um pouco mais de sol - e fôra brasa, 
Um pouco mais de azul - e fôra além. 
Para atingir, faltou-me um golpe de aza... 
Se ao menos eu permanecesse àquem... 

Mário de Sá-Carneiro


Agradeço à Magda os apontamentos que tirou ao longo da tertúlia e de me ter incluído nos singelos presentes que oferecemos ao convidado (uma pequena palete e um caderno de desenho), que agradeceu, emocionado, tendo, inclusivé, brincado com a palete.

13 comentários:

  1. Foi uma noite muito especial. São momentos que permanecerão durante muito tempo.
    A inclusão terás que agradecer à minha amiga que adiantou-se-me na sugestão. :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. é verdade.
      pois ele gostou muito, que bem vimos :) bela ideia.

      Eliminar
  2. deve ter sido de facto uma ocasião muito especial, daquelas cuja recordação ficam sempre connosco, e de forma muito impressiva.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. sim, fica para sempre e fiquei contente por ter tido esta oportunidade.

      Eliminar
  3. O meu namorado trabalhou durante uns anos com ele. Ele era genial. E tenho a casa cheia de obras dele.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. és um sortudo :)
      e agora estou com um bocado de inveja.

      Eliminar
  4. Olá!
    Mas esta gente não trabalha? Enfim, devem ser funcionários públicos! =P
    Vá, só espero que se tenham divertido... =D
    Beijinhos e porta-te mal!! ;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. podes crer.
      na verdade, não entendi o teu comentário.
      bjs.

      Eliminar
    2. oi!
      Oh, esquece. Só estava bem-disposto quando escrevi aquilo lol.
      Beijinhos e porta-te mal!! ;)

      Eliminar
  5. Well done Margarida. Fico feliz de saber que desfrutaste de mais um bom momento :)

    Beijinhos

    ResponderEliminar